O que é melhor: “codinome” ou “nome-código”?

Prezado prof. Aldo, meus parabéns por seus artigos primorosos e esclarecedores! Sempre aprendo coisas novas com você, continue assim! Mas a razão do meu contato é uma dúvida: de uns tempos para cá vem se tornando cada vez mais frequente o emprego da palavra “codinome”. O próprio presidente Bolsonaro usou codinomes para fazer os primeiros exames de covid-19. Não sou tão velho assim, mas lembro que mais antigamente se dizia “nome-código”. Gostaria de saber de onde veio essa palavra. É correto usá-la? Ou é mais um desses americanismos idiotas? Desde já obrigado e mais uma vez parabéns. Marcelo Henrique Avelino

Caro Marcelo, a palavra “codinome” é de introdução relativamente recente e é um decalque do inglês code name, literalmente “nome em código”, ou “nome-código”, como você mencionou. A rigor, esta última forma é a mais condizente com a morfologia do português, mas, como acontece o tempo todo, as formas mais aderentes ao vernáculo não são necessariamente as que ganham a preferência popular. Talvez por ser mais sintético (ou por ser mais próximo da matriz inglesa), “codinome” acabou, de fato, suplantando “nome-código”.

O que os falantes do português fizeram foi converter name em “nome” e, em lugar de substituir pura e simplesmente code por “código”, adotaram a forma truncada (“codi-”) dessa palavra – aquilo que chamamos tecnicamente de fractomorfema. Com isso, o que era uma locução nominal em inglês tornou-se um substantivo composto em português.

Assim como você, muitas pessoas podem não gostar dessa palavra, resultado de uma composição truncada, e considerá-la realmente um barbarismo. No entanto, é preciso lembrar que composições mediante truncação de um dos elementos não são incomuns em nosso idioma. Basta ver a palavra “fidalgo” que já foi “filho de algo”. Quanto à inegável influência da língua inglesa sobre a nossa, podemos gostar ou não, mas não há como negá-la. Se “codinome” é um anglicismo disfarçado, o fato é que o português – e a maioria das línguas hoje em dia – está repleto desses anglicismos, para muitos dos quais não temos equivalente vernáculo.

Em resumo, você pode empregar indiferentemente “codinome” ou “nome-código”, pois ambos estão de acordo com o padrão linguístico – tudo é uma questão de estilo. Essa é uma das dádivas da língua: podermos escolher nossa forma de expressão e com isso firmar nossas posições e afirmar nossa identidade.

4 comentários sobre “O que é melhor: “codinome” ou “nome-código”?

  1. Uma cruel dúvida…

    Gostaria de saber como chegaram a “fidalgo” = filho de algo.
    Não seria mais natural, que fosse filho de alguém, para não coisificar?

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s