A origem do nome do panetone

Semana passada, falei sobre a etimologia das palavras ligadas ao Natal e ao Ano Novo. Hoje vou falar sobre o panetone, essa guloseima indefectível nas mesas do Natal. Corre uma lenda, que vem até impressa em algumas embalagens de panetone, de que esse pão doce recheado de frutas cristalizadas (e hoje também de chocolate e outros ingredientes) teria sido criado na cidade de Milão, na Idade Média, por um confeiteiro chamado Tony, o qual teria dedicado seu invento à mulher amada. Daí o porquê do nome panetone: seria “o pão de Tony”.

Embora romântica, essa lenda não tem o menor fundamento. Primeiro, porque não há nenhuma evidência histórica que respalde essa versão. Segundo, porque é pouquíssimo provável que na Itália medieval houvesse alguém com o apelido de Tony. Trata-se da forma reduzida do nome inglês Anthony, e, como se sabe, a influência anglo-americana sobre o italiano só surgiu após a Segunda Guerra Mundial.

Na verdade, a palavra italiana panettone é aumentativo de panetto (pãozinho), e, portanto, nada tem a ver com um possível confeiteiro de nome Tony. O fato é que muitas vezes nos refugiamos nas lendas porque a realidade parece bem sem graça. A origem mítica do panetone, alimento símbolo do Natal, é, com certeza, mais sedutora ao nosso imaginário do que sua prosaica etimologia verdadeira. E, como os próprios italianos costumam dizer, “se non è vero, è bene trovato”: não é verdade, mas bem que poderia ser.

Feliz Ano Novo!

Kit-net: um kit para a internet?

Bom dia, Aldo. Queria saber qual a origem da sigla “kit-net” que aparece nos anúncios imobiliários. Que eu saiba, é um apartamento minúsculo que nada tem a ver com internet, não é? Obrigado.
Jailson G. dos Santos

Caro Jailson, você tem toda a razão: “kit-net” não tem nada a ver com “kit” nem com “net”, portanto está longe de ser alguma espécie de kit para ser usado na internet. Então por que esse minúsculo aposento, também conhecido por “apartamento conjugado” ou simplesmente “conjugado”, formado por um quarto (que faz as vezes de sala), uma cozinha onde mal cabe um fogão e um banheiro que também é área de serviço tem esse nome enigmático?

A origem está no inglês kitchenette, cruzamento de kitchen, “cozinha”, com dinette, “pequena sala de jantar”. A esse tipo de amálgama de palavras se dá o nome de fractocomposto ou palavra-valise, pois juntam-se fragmentos de duas ou mais palavras para formar uma nova (como em “atacarejo” e “showmício”, por exemplo).

A kitchenette da língua inglesa é, na verdade, uma copa-cozinha, isto é, um local onde tanto se preparam quando se consomem as refeições. Por extensão, o nome desse cômodo se tornou a designação do apartamento como um todo.

Essa palavra logo foi aportuguesada para “quitinete”, e hoje ambas as grafias estão dicionarizadas. A questão é que, especialmente nas mãos de corretores imobiliários pouco afeitos ao vernáculo, “quitinete” virou um rébus: assim como “cassete” e “cheeseburger” se tornaram “K-7” e “X-búrguer”, “quitinete” deu “kit-net”. Trata-se de um fenômeno chamado etimologia popular: como as pessoas não sabem a verdadeira origem da palavra, tentam associá-la a algo mais familiar. Por fim, o uso disseminado acaba por consagrar essa forma.

A etimologia popular costuma criar associações bizarras entre coisas que não têm nada a ver, como “cheese” e “X”, por exemplo.