A Butanvac, as telenovelas e os casais-valise

Foi anunciada na semana passada uma vacina contra a covid-19 cem por cento nacional – embora a tecnologia inicial seja americana – a ser fabricada pelo Instituto Butantan e batizada de Butanvac. A escolha do nome é uma clara junção de “Butan” (de Butantan) e “vac” (de vacina). Esse processo de formação de nomes de produtos e mesmo de palavras comuns da língua juntando pedaços de outras palavras é bastante frequente, especialmente na indústria farmacêutica. Aliás, várias das vacinas anticovid têm nomes formados assim: Coronavac = coronavirus + vaccine, Novavax = nova + vaccine, e assim por diante.

Esse processo de formação de palavras é chamado tecnicamente de fractocomposição, e seu resultado é o fractocomposto ou palavra-valise. Há muitos exemplos em português:

  • ataca|do| + |va|rejo = atacarejo;
  • auto|móvel| + peça = autopeça;
  • brasi|leiro| + |para|guaio = brasiguaio;
  • cant|ora| + atriz = cantatriz;
  • mini|atura| + saia = minissaia;
  • portu|guês| + |espa|nhol = portunhol;
  • repro|dução| + |foto|grafia = reprografia;
  • show + |co|mício = showmício.

A fractocomposição é um processo relativamente moderno de formação de palavras, já que a maioria delas tem menos de 100 anos. Um dos primeiros campos a adotar esse processo foi a química, cujos compostos são formados a partir de fractomorfemas como met- (do grego méthy, “vinho”), et- (de “éter”), prop- (de “propiônico”, nome de um ácido), but- (do latim butyrum, “manteiga”), etc. Depois veio a informática (de “informação” + “automática”) com blog (de web + log), flog (de “foto” + blog), Instagram (de instant, “instantâneo” + photogram, “fotograma”), e muitos mais.

Os fãs de telenovelas também costumam usar esse processo, que eles chamam de “shippar”. Trata-se de juntar por meio de truncamento seguido de aglutinação os nomes de dois personagens que eles desejam que terminem juntos, ou seja, que formem par romântico. Assim, já tivemos laurique (Laura e Caíque), perina (Pedro e Karina), peju (Pedro e Júlia), shirlipe (Shirlei e Filipe), e muitos outros. Às vezes, também os nomes de celebridades são “shippados”, como aconteceu com o casal Dillzé (e também Guizill) no tempo em que os atores Nathalia Dill e Sérgio Guizé namoravam.

Ou seja, assim como ocorre com medicamentos, é muito comum que nomes de personagens de telenovela se transformem em palavras-valise. O que às vezes vem a calhar, já que certos personagens são realmente muito “malas”.

Kit-net: um kit para a internet?

Bom dia, Aldo. Queria saber qual a origem da sigla “kit-net” que aparece nos anúncios imobiliários. Que eu saiba, é um apartamento minúsculo que nada tem a ver com internet, não é? Obrigado.
Jailson G. dos Santos

Caro Jailson, você tem toda a razão: “kit-net” não tem nada a ver com “kit” nem com “net”, portanto está longe de ser alguma espécie de kit para ser usado na internet. Então por que esse minúsculo aposento, também conhecido por “apartamento conjugado” ou simplesmente “conjugado”, formado por um quarto (que faz as vezes de sala), uma cozinha onde mal cabe um fogão e um banheiro que também é área de serviço tem esse nome enigmático?

A origem está no inglês kitchenette, cruzamento de kitchen, “cozinha”, com dinette, “pequena sala de jantar”. A esse tipo de amálgama de palavras se dá o nome de fractocomposto ou palavra-valise, pois juntam-se fragmentos de duas ou mais palavras para formar uma nova (como em “atacarejo” e “showmício”, por exemplo).

A kitchenette da língua inglesa é, na verdade, uma copa-cozinha, isto é, um local onde tanto se preparam quando se consomem as refeições. Por extensão, o nome desse cômodo se tornou a designação do apartamento como um todo.

Essa palavra logo foi aportuguesada para “quitinete”, e hoje ambas as grafias estão dicionarizadas. A questão é que, especialmente nas mãos de corretores imobiliários pouco afeitos ao vernáculo, “quitinete” virou um rébus: assim como “cassete” e “cheeseburger” se tornaram “K-7” e “X-búrguer”, “quitinete” deu “kit-net”. Trata-se de um fenômeno chamado etimologia popular: como as pessoas não sabem a verdadeira origem da palavra, tentam associá-la a algo mais familiar. Por fim, o uso disseminado acaba por consagrar essa forma.

A etimologia popular costuma criar associações bizarras entre coisas que não têm nada a ver, como “cheese” e “X”, por exemplo.