Bolsonaro foi a Canossa

Um dos fatos históricos mais marcantes da Idade Média foi a chamada Questão das Investiduras, ou Querela das Investiduras. Trata-se de um conflito ocorrido de 1075 a 1122 entre o papa e o imperador germânico no qual se disputava a primazia na nomeação de bispos. Ocorria que o imperador Henrique IV desejava escolher ele mesmo os bispos a serem investidos dentro dos territórios do Império. Por outro lado, o papa não abria mão de seu poder sobre cardeais, bispos, abades e párocos. Assim, Henrique declarou guerra ao papado e, por causa disso, acabou excomungado pelo papa Gregório VII. Isso fez com que os barões alemães esboçassem a intenção de emancipar-se do jugo do imperador. Temendo a fragmentação de seu império, Henrique pediu ao papa que revogasse sua excomunhão.

Gregório VII exigiu então que o imperador viajasse de Speyer, na Alemanha, a Canossa, na Itália, e que permanecesse três dias e três noites ajoelhado às portas do castelo, sob frio e neve, descalço e trajando apenas uma túnica de lã. Cumprida essa penitência, o papa o recebeu e revogou sua excomunhão sob certas condições, que Henrique viria a violar pouco tempo depois.

Desse episódio histórico surgiram as expressões “penitência de Canossa” e “ir a Canossa” para designar um ato humilhante que alguém tem de praticar para conseguir o perdão por um malfeito.

Foi exatamente o que Bolsonaro foi obrigado a fazer ontem ao publicar uma carta à nação assinada por ele, mas redigida pelo ex-presidente Michel Temer, em que afirma não ter querido dizer aquilo que dissera em 7 de setembro sobre o STF e o ministro Alexandre de Moraes.

O fato de o presidente não ter redigido a carta com suas próprias palavras já põe em dúvida a sinceridade de seu conteúdo. Mas, como o que vale é a assinatura, para todos os efeitos – e para decepção de seus militantes – Bolsonaro fez um vexatório recuo estratégico. Ou seja, foi a Canossa.

Melhor para o Brasil, que já não tem poucos problemas a resolver. No entanto, o ceticismo é geral, não só dos ministros do Supremo, mas até mesmo dos próprios aliados políticos do presidente. Conhecendo o temperamento do capitão, estamos todos aguardando que ele, como Henrique IV, logo viole as promessas de bom comportamento que acabou de fazer. Como não é a primeira vez que ele morde e depois assopra, fica difícil acreditar nessa nova versão “Bolsonarinho paz e amor”.

12 comentários sobre “Bolsonaro foi a Canossa

    1. Em primeiro lugar, neste blog falo sobre os mais diversos assuntos, linguística é apenas o mais recorrente deles. Conforme digo na própria apresentação do blog, que o senhor certamente não leu:
      “Este blog não é necessariamente sobre linguística ou língua – embora estes tendam a ser temas frequentes aqui –, mas é, antes, um blog feito por um linguista, isto é, por alguém que tem a tentação de interpretar a realidade sob o prisma da linguagem […]. Aqui me permito refletir e falar sobre os mais diversos assuntos – linguagem, educação, comunicação, mídia, estética, arte, cultura pop e cultura em geral, realidade cotidiana (do nosso país e do mundo) e até filosofar sobre a existência. E também me permito expressar opiniões. […].”
      Em segundo lugar, falo sobre política sim, pois, como cidadão, tenho esse direito. Mas não sobre política partidária, como o senhor disse, uma vez que não apoio nenhum partido. Se não está gostando, há muitos blogs bolsonaristas – alguns financiados com verba pública – para o senhor seguir.

      Curtido por 1 pessoa

      1. Algumas pessoas definem assim o termo “política partidária”: “crítica ou comentário negativo sobre político ou partido político do qual sou simpatizante. Mas se a crítica for dirigida aos meus adversários políticos, então não será política partidária e será muito bem-vinda!”
        Durma-se com um barulho desses! 😉

        Curtido por 1 pessoa

  1. Caro Aldo,

    Como qualquer um que tenha filhos pequenos (tenho um de quase 3 anos) já terá notado, as crianças nesta faixa etária e até um pouco mais velhas tendem a regularizar todas as conjugações. Hoje o meu filho me perguntou: – Papai, você fazeu isso?

    Daí me ocorreu perguntar se as irregularidades verbais sempre estiveram presentes em todas as línguas, em todas as épocas e são, portanto, universais da linguagem, ou se há registro de alguma língua que, em alguma fase, tenha tido apenas conjugações regulares.

    Pergunto isso porque é tão forte nas crianças a propensão à regularização que as irregularidades me parecem surgidas de transmissões linguísticas irregulares (contato) que, depois de assimiladas à norma, só por meio da educação formal é que se inculcam nas crianças.

    Curtido por 1 pessoa

    1. De fato, Rodrigo, tanto os estudos sobre a aquisição da linguagem pela criança quanto os estudos históricos sobre as línguas indicam que a regularidade é a tendência natural do cérebro humano quando opera a linguagem. No entanto, por mais que retrocedamos no tempo, sempre encontramos formas irregulares. Isso se deve ao fato de que a evolução linguística oscila entre duas forças contrárias: a mutação fonética fortuita e a regularização analógica. É por isso que em qualquer fase de uma língua que se analise, sempre se verificam formas regulares se divorciando e se tornando irregulares por mutação, e formas irregulares se reconciliando e se reaproximando pelo efeito da analogia. Tenho um artigo sobre isso (https://www.academia.edu/8999338/O_PAPEL_DA_TENS%C3%83O_ENTRE_EVOLU%C3%87%C3%83O_LING%C3%9C%C3%8DSTICA_E_NIVELAMENTO_ANAL%C3%93GICO_E_SUAS_IMPLICA%C3%87%C3%95ES_NA_ESTRUTURA_GRAMATICAL_DO_PORTUGU%C3%8AS_MODERNO) que talvez ajude a esclarecer essa questão.

      Curtir

      1. Artigo interessante, mas me suscitou uma curiosidade que não sei se tem resposta objetiva ou pode ser apenas questão de opinião:

        O Inglês tem seus tipos próprios de dificuldade, por exemplo uma fonologia difícil para estrangeiros (vogais demais) e ortografia também irregular demais. Mesmo assim, os países anglófonos conseguiram torná-lo a língua franca de hoje. Então, voce diria que a dificuldade constituída pela profusão de formas verbais demais, como tem o Português, é mais impeditiva para a difusão do idioma do que a dificuldade constituída por uma fonologia difícil e ortografia irregular como tem o Inglês? Pessoalmente acho que, se o Brasil tivesse acertado a mão e passado os EUA como potência no século XIX, o Português seria sim a língua franca de hoje, mesmo com suas dificuldades.

        Curtido por 1 pessoa

      2. Durante séculos o francês foi a língua internacional da política, do comércio, da ciência e da cultura. O francês tem, tal qual o inglês, uma ortografia pouco transparente, em que as palavras não se escrevem como se pronunciam. Também tem uma gramática mais complexa que a do inglês, embora não tão complexa quanto a do português. A substituição do francês pelo inglês como língua internacional se deu por razões políticas, econômicas e militares e não por questões meramente linguísticas. Hoje, o complicadíssimo mandarim já começa a se impor como potência linguística. Ou seja, a obscuridade do português não se deve tanto aos seus “defeitos” intrínsecos, mas à desimportância global dos países que o falam. É bem verdade que o inglês, com sua gramática enxuta, sua grafia sem acentos ou sinais especiais (o que facilita sobremaneira a digitação) e sua maleabilidade morfológica são diferenciais positivos, mas, a meu ver, não determinantes.

        Curtido por 1 pessoa

  2. É, se o Mandarim ganhar muita importância, receio que muita gente “anti-imperialisto estadunidense” vai descobrir que, ao menos em alguns aspectos desse imperialismo, nada é tão ruim que não possa piorar. O Inglês ao menos é hindo-europeu…

    Curtido por 1 pessoa

    1. Mas sabes que a gramática chinesa é bem fácil, também? A escrita é linda, apesar de complexa, e os tons são difíceis de reconhecer.

      Uma observação: o mais antigo livro impresso está em chinês, o Sutra do Diamante, quase seiscentos anos mais velho que Gutenberg…

      Curtido por 1 pessoa

      1. Sim já ouvi sobre a gramática fácil. O que deve pegar é o vocabulário, que deve ter pouquíssimas raízes hindo-européias, e imagino que tanto no nosso idioma como no deles, haja bastantes termos sem possibilidade de tradução exata por um só termo do outro idioma.

        Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s