O peso das palavras

A linguagem é a mais maravilhosa invenção humana, aquilo que de fato nos tornou humanos e nos distinguiu para sempre dos outros animais, para o bem e para o mal – embora o linguista israelense Guy Deutscher faça a ressalva de que a linguagem nunca foi realmente inventada, já que é, ao que tudo indica, um instinto natural. De todo modo, poder fazer os outros compreenderem o que estamos pensando, transplantar para eles o nosso pensamento e os nossos sentimentos por meio da fala ou da escrita é verdadeiramente sensacional.

Mas a linguagem também tem sido ao longo dos tempos a principal fonte de discórdias e mesmo de conflitos sangrentos. Por isso, é preciso sempre dosar as palavras que empregamos, pois elas têm um peso que às vezes não somos capazes de avaliar. E palavra dita não volta atrás. Além disso, o que importa na comunicação não é o que dizemos, mas o que o outro entende daquilo que dizemos.

Nessa guerra da Ucrânia, estamos tendo vários exemplos de como as palavras são manipuladas para produzir certos efeitos de sentido. Em primeiro lugar, a própria guerra está sendo chamada pelo governo Putin de “operação militar especial” e a invasão de um país soberano, de “libertação”. E quem na Rússia utilizar os termos “guerra” ou “invasão” pode pegar até 15 anos de cadeia. Aliás, a própria censura imposta por Putin à imprensa e à internet mostra como os poderosos, especialmente os autocratas, têm medo das palavras e da informação que elas portam.

A resolução votada e aprovada pela ONU semana passada substituiu o termo “condena” por “lamenta” em relação à invasão da Ucrânia pela Rússia por receio de irritar ainda mais um indivíduo que já provou não estar na plenitude de sua sanidade mental e tem o dedo no botão vermelho das armas nucleares.

Enquanto isso, o chanceler brasileiro Carlos França substitui a palavra “neutralidade”, usada por Bolsonaro, por “equilíbrio”, tentando dar um ar positivo à indiferença pelos mortos, feridos, desabrigados e exilados, pois o que importa são nossos interesses comerciais – leia-se fertilizantes –, mesmo sabendo que nossa neutralidade, ou melhor, equilíbrio, não vai permitir a importação desses insumos de que éramos autossuficientes décadas atrás, já que o comércio com a Rússia está internacionalmente bloqueado.

Por outro lado, é também com palavras que o presidente da Ucrânia, Volodimir Zelensky, insufla em seu povo a coragem e o patriotismo para lutar contra os invasores. Zelensky, inicialmente desacreditado por ser um comediante que chegou ao poder na onda da antipolítica, revela-se com sua retórica poderosa um grande estadista, um verdadeiro líder, cuja maior arma, na falta de material bélico efetivo, são suas palavras. E que, com elas, conseguiu a proeza de unir o Ocidente e fazê-lo tomar medidas corajosas que, de outro modo, jamais seriam tomadas contra uma potência como a Rússia.

Neste grave momento da História, é preciso mais do que nunca saber usar bem as palavras, seja para aplacar ditadores, seja para enfrentá-los. Só o que não se pode é ficar calado.

4 comentários sobre “O peso das palavras

  1. Caro Aldo:

    Eu seria capaz de jurar que você já escreveu sobre isto, mas lancei alguns termos no buscador para ver se encontrava algum artigo a respeito e não tive êxito; então, se estiver repetindo uma pergunta a que já deu resposta, fique à vontade para apenas me remeter para o artigo de interesse: é favorável ou contrário à convenção (há mesmo, ou ao menos houve, tal convenção, correto?) de traduzir os nomes de monarcas, inclusive os reinantes atualmente, à semelhança do que fazem ainda hoje portugueses (Isabel II), espanhóis (Isabel II) e italianos (Elisabetta II)?

    Importa-se de discorrer, ainda que brevemente, sobre a existência (ou não) de tal convenção e as razões da sua (im)pertinência?

    Um abraço,
    Rodrigo.

    Curtido por 1 pessoa

    1. Desconheço se existe tal convenção. O que sei é que, quanto a monarcas já falecidos, usa-se o nome em português: Luís XIV, Jorge VI, Pedro o Grande. Já quanto a monarcas vivos, a regra varia. Ninguém chama o rei Carlos Gustavo da Suécia de Karl Gustaf, mas dizemos “rei Juan Carlos”, “príncipe Charles”, “príncipe William”, “príncipe Harry”, etc. A rainha da Dinamarca é chamada de Margarida, mas a da Inglaterra ora é Elisabete II, ora Elizabeth II. Ou seja, não há uma regra geral. Seguimos simplesmente o uso.

      Curtir

  2. Perguntei-lhe sobre a existência de alguma convenção, porque os portugueses chamam Isabel II e príncipe Carlos à rainha e ao príncipe herdeiro da Inglaterra, João Carlos ao rei emérito da Espanha etc. É verdade que chamam Harry ao irmão do príncipe Guilhetme (!!!), mas parecem seguir o que seria uma convenção (assim justificam traduções do tipo).

    Curtir

Deixe uma resposta para Aldo Bizzocchi Cancelar resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s